Prêmio Carlos Florence2023-07-20T16:13:04+00:00



PCF       Edital      Inscrições      Sobre Carlos Florencee

O Prêmio Carlos Florence é uma iniciativa da Associação Nacional de Difusão de Adubos (ANDA) para valorizar os trabalhos acadêmicos que se destaquem nas pesquisas sobre fertilizantes, notadamente sob o aspecto da inovação.

Informações Edição 2023

23 trabalhos disputam a segunda edição do PCF

Com o encerramento das inscrições no dia 15/07/2023, a segunda edição do Prêmio Carlos Florence recebeu 23 trabalhos concorrentes. Desses, 13 são individuais e dez têm autoria coletiva. O total de autores participantes do certame chega a 40, sendo 25 homens e 15 mulheres.

O prêmio teve alcance nacional: são sete estados representados por 14 instituições de ensino superior estabelecidas em cinco regiões do país. Só não vieram trabalhos da região Norte. Estão inscritas pesquisas de sete universidades estaduais, cinco federais e duas privadas.

São cinco trabalhos da Esalq, quatro da Universidade Federal de Lavras, dois da Universidade Tuiuti do Paraná, dois do Instituto Agranômico de Campinas, e o restante das instituições entraram com um trabalho cada: Universidade Estadual do Norte do Paraná, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Paraná, Universidade Estadual de Maringá, Universidade do Estado de Minas Gerais, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Universidade Federal de Uberlândia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Católica Dom Bosco, de Campo Grande.

A entrega do prêmio será feita durante o 10º Congresso Brasileiro de Fertilizantes, no dia 29 de agosto, em São Paulo. O evento está programado para ocorrer no Sheraton WTC, em formato presencial e online.

BAIXAR EDITAL

Premiação

O papel do PCF para a pesquisa

O ganhador da primeira edição do Prêmio Carlos Florence, Bruno Cassin, fala sobre a importância da iniciativa para o impulsionamento das pesquisas sobre fertilizantes no Brasil. Bruno foi o vencedor no ano passado com a dissertação de mestrado intitulada “Tecnologia de fertilizantes nitrogenados para ambientes de produção de milho no noroeste do Paraná”, apresentada na Universidade Estadual de Maringá.

Hoje ele cursa doutorado em agronomia na Esalq. Assista o seu depoimento.